As novas gerações mal sabem o que elas são e como foram fundamentais e super populares no Brasil nas décadas de 50 a 80. Presente nas prateleiras de bibliotecas públicas e escolas em todos os cantos do país. Era impossível fazer uma pesquisa sem consultar uma boa enciclopédia como a Barsa, a Brtitânica ou a La Rousse Cultural.

Na década de 50 o Brasil era o quinto maior consumidor de enciclopédias do mundo. Assim, era muito comum tê-las em casa.

Durante mais de 30 anos de edição impressa e comercialização pelas mais diversas editoras e livrarias, elas de modernizaram e se aperfeiçoaram, aprofundando-se nos assuntos.

O Brasil era o quinto maior consumidor de enciclopédias do mundo na década de 50

Não era incomum encontrar Enciclopédias temáticas como Enciclopédia da História da Humanidade, Enciclopédia de Biologia, de Geografia, de Mitologia, etc.

Geralmente editadas e impressas com no mínimo 10 volumes, reuniam conteúdo e informações sobre assuntos de ciências, biologia, saúde, geografia, história, conhecimentos gerais, cultura, política, religião e comportamento.

As enciclopédias eram o Google daquela época!

Uma edição impressa, muito famosa nos anos 80, chegou a reunir todo o seu conteúdo em um único e enorme volume de capa dura forrada em tecido resistente, e foi genialmente intitulada como TUDO. Realmente parecia ter conteúdo sobre tudo escrito nas suas páginas!

As capas duras foram gradativamente substituídas por capas mais simples e leves, os volumes tiveram seu tamanho reduzido e já cabiam nas mochilas. Um verdadeiro marco na história da cultura e do conhecimento, atualmente ganharam versões digitais em CD-Room e on line, como aconteceu com a Enciclopédia Britânica, em 2012.

Além de apresentarem um conteúdo completo, riquíssimas ilustrações e texto culto, as edições impressas emprestavam a classe e o requinte de suas capas duras, geralmente nas cores marinho, vinho e verde escuro, com letras timbradas em dourado e prata.

As bibliotecas decoradas com grandes enciclopédias ficavam simplesmente lidas e luxuosas! Pelos menos para quem é apaixonado por livros essa costuma ser a imagem que fica na memória. Você concorda?

A primeira Enciclopédia foi criada na Europa e impressa pela primeira vez em 1751 até 1780. Possuía 35 volumes que continham um resumo de todo o conhecimento existente até aquele momento.

A primeira edição surgiu no período Iluminista, movimento que defendia a criação das escolas e da ampla difusão do conhecimento e da cultura para os povos, em contraposição ao período Absolutista, durante o qual se estabeleceu a estrutura feudal sob o domínio da cultura religiosa da Igreja Católica, que naquele período pregava a censura de ideias tidas como perigosas na Europa.

Você é desse tempo? Ou está mais familiarizado com a Wikipedia disponível na internet? Comente nas nossas redes sociais e conte sua experiência com as enciclopédias.